Clique para ampliar a imagem…

Ontem novamente o DAPSI sofreu um boicote.

Ontem quando alguns integrantes da gestão foram lá confeccionar o cartão TRI escolar dos alunos viram que a porta do DAPSI cheia de adesivos colados da chapa “Mudança”, que é a chapa do DCE. Havia um adesivo inclusive um que tapava a fechadura da porta lacrando-a, não permitindo que ela fosse aberta. Tiveram que arrancar alguns adesivos para poder entrar no Diretório e quando abriram a porta, se depararam com vários panfletos jogados ali por debaixo da porta. Esses panfletos eram os mesmos que foram usados durante a campanha do CAMC (centro acadêmico do direito que é vinculado ao DCE). A porta de trás do DAPSI está com bonder na fechadura na parte de fora também. E já não é a primeira vez que isso acontece. Já tivemos umas três vezes a fechadura trancada com super-bonder, cartazes nos ameçando, etc. Tudo isso porque ousamos questionar o preço da cartão TRI que o DCE cobra o preço máximo de R$ 16,00 enquanto nós resolvemos cobrar R$ 4,00 e GRATUITO para quem tem Prouni ou Fies.

Mas apesar das ameaças, dos boicotes, das tentativas de nos amedrontar, nós não vamos nos calar! E seguiremos na luta por uma representação estudantil consciente e coletiva!

Image

A votação que ocorreu nesta segunda-feira, 12/12, foi mera formalidade para instituir no cargo de presidente da câmara dos vereadores, o mandachuva do PDT do Estado, e legítimo FILHO DA PUCR$, MAURO ZACHER.

Na PUCR$ Mauro Zacher é persona non grata! conhecido dos alunos da PUCR$, por participar do grupo mafioso que dirige o diretório central de estudantes, DCE, por 20 anos. Participou nominalmente de quatro gestões, tendo demorado mais de dez anos para se formar, enquanto recebia uma “bolsa informal” da PUCR$ por seus serviços políticos, como ele mesmo afirma (vide processo 1002634726 que tramita na 7ª vara cível). Coincidentemente, ou não, durante sua presidência no DCE é que houve o trágico e obscuro assassinato do estudante Fábio Borba, cuja investigação permanece atravancada até hoje.

             Ao longo de todos esses anos nunca houve prestação de contas, mas subitamente houve muita verba de campanha para eleição dos ex-presidentes Luciano Marcantônio, Mauro Zacher e até uma vaguinha como seu chefe de gabinete para o também ex-presidente e atual advogado do DCE Rafael Fleck. A estreita relação deste grupo com a PUCR$ já foi inclusive motivo de viagem da base Pedetista de Porto Alegre a Brasília para pleitear a permanência de isenção fiscal para classificar a rentabilíssima PUCR$ como filantrópica.

Na juventude ele (Mauro Zacher) não nos representa!

          Não bastasse o que o PDT faz na PUCR$, o grupo segue investigado pela Polícia Federal em virtude do desvio de R$ 11 milhões do programa Projovem da Secretária Municipal da juventude, do qual Mauro Zacher e Rafael Fleck eram os responsáveis. Verificaram-se fraudes na dispensa de licitações, pagamentos de contratos e contratação de funcionários (o atual presidente do DCE da PUCR$ e seu antecessor recebiam como educadores através da verba do programa). Em meio a ameaças de morte e diversas denúncias de irregularidades a CPI que deveria apurar tais fatos se negou, todavia a PF e o MP seguem no caso. Com receio de que a população tivesse acesso a verdade o vereador ainda tentou bloquear seu nome em sites de noticia da internet (vide ação 1.11.0249386-5), por intermédio de advogado Rafael Fleck, (ex-presidente do DCE/PUCR$). Como resposta, a Juíza declarou que não há indícios de as notícias “sejam inverídicas ou de que tenham extrapolado os limites do tolerável”.

 Afinal quem rouba merenda de crianças, frauda eleições, rouba dinheiro dos estudantes, falsifica bolsas, ameaça pessoas e envolve-se em assassinatos, afinal quem explora os trabalhadores não nos representa!

Como se não bastasse o histórico de fraudes, de agressões contra mulheres, a falta de prestação de contas aos alunos, as ameaças e o super-bonder na fechadura do diretório da psicologia, a comissão eleitoral composta pelos próprios membros da atual gestão (que também são membros do DCE), a máfia do CAMC IMPUGNOU TODAS AS CHAPAS DE OPOSIÇÃO e só avisou ontem (dia 8) desobedecendo o próprio estatuto que diz que deveriam avisar até o dia 6 sobre a homologação das chapas.

Para que essa máfia não continue aplicando golpes e usando a representação estudantil para seus próprios interesses e à serviço da gang do PDT e Mauro Zacher (que desviou 11 milhões do Pró-jovem), é preciso que os estudantes se unam para derrubar a máfia e exigir democracia na PUCR$. Precisamos romper com a passividade e lutar para que os DA’s, CA’s e o DCE sejam DOS ESTUDANTES!

Por isso convidamos tod@s para um ato hoje, às 18:30, na frente do prédio 11 e para um pleibicito que estará sendo realizado pelo CEB Livre (Conselhos de Entidades de Base Livre, DA’s e CA’s não vinculados ao DCE) para saber se os estudantes se sentem realmente representados pelo CAMC e pelo DCE.

TODOS HOJE NO PRÉDIO 11 CONTRA A MÁFIA DO CAMC E DO DCE!

Estamos em vigília no CAMC (C.A. do Direito) para pressionar a comissão eleitoral em passar o resultado das homologação das chapas. O resultado era para ter saído no domingo, hoje já é terça-feira e NADA!

Integrantes da chapa ligada ao DCE da PUCRS vieram tirar fotos para tentar nos intimidar.

O CAMC é um dos tantos outros Centros Acadêmicos ligados à Máfia do DCE da PUCRS. Este semestre, estudantes com todo apoio do Movimento 89 de Junho, derrubaram o C.A. da Educação Física e da Comunicação Social, não nos cansaremos de lutar!

Nós do Movimento 89 de Junho viemos por meio desta manifestar apoio total aos estudantes da Universidade de São Paulo que estão sofrendo uma forte repressão da força estatal unida com a reitoria da universidade e o governo de São Paulo. A livre expressão e o direito de manifestação previstos na constituição estão sendo vetados em uma atitude vergonhosa dentro de um meio onde o que deve ser promovido é a educação e não a violência.

Mais de 400 homens, cavalaria, força tática e helicópteros foram enviados para a USP, a pedido do reitor João Grandino Rodas e do governador Geraldo Alkimim, com o objetivo de combater os estudantes que se tornaram inimigos do estado por quererem uma universidade mais aberta e democrática. Mais de 66 alunos foram detidos em um cenário composto por gás de pimenta, armas, cacetetes e escudos . Algo muito próximo do que o Brasil viveu nos anos de chumbo e parecia ter acabado aparentemente, mas segue presente.

Não devemos medir esforços no combate contra a repressão estatal que hoje se apresenta com muitas agressões físicas, detenções e amanhã pode vir novamente com casos de tortura, execuções sumárias e desaparecimento daqueles que ousam questionar a atual ordem estabelecida. Queremos uma universidade livre de repressão, de reitores corruptos e de preconceitos. A universidade deve sim ser ocupada por estudantes e não pela tropa de choque.

Por uma universidade para aprender e não para apanhar, pelo fim do convênio entre a USP e a PM já! Somos estudantes e estamos com as companheiras e companheiros da USP na luta por uma universidade plural, democrática, de qualidade e pública que represente os interesses do povo e não de alguns!

Porto Alegre, 08 de novembro de 2011

Audiência Pública com a Comissão de Direitos Humanos para discutir os acontecimentos na PUCRS envolvendo o Movimento 89 de Junho, DCE e a própria PUCRS. A audiência inicia às 15:30 de hoje.

Desde o longo histórico de fraude de eleições do DCE, o levante que se formou para as eleições do CONUNE semestre passado e agora, mais recentemente, a Sindicância nada imparcial que ameaça expulsar os alunos que lutam por democracia.

Já que a PUCRS não defende os estudantes, vamos pedir apoio externo para acabar com toda essa HIpucrsIA!

TODOS LÁ PARA DERRUBAR A MÁFIA!